Wednesday, April 1, 2009

O ataque das polícias de Matosinhos

Tudo corria bem até... até deixar de poder vir de carro para o trabalho.
Há dois anos, quando comecei a trabalhar junto ao Mercado de Matosinhos, vinha diariamente de metro. Uma coisa normal para mim, que enquanto trabalhei na Baixa usei o metro desde o primeiro dia em que começou a circular. Mas o metro em Matosinhos é a verdadeira seca, sobretudo quando se anda ao contrário do trânsito e se constata que sobre carris o tempo do percurso ultrapassa o dobro. Por isso, vi no outro dia quando renovei o passe, deixei de andar de metro em Setembro de 2007. Passei a vir de carro.
Aqui à volta do mercado sempre houve parcómetros, mas quase oficialmente não pagos, porque nunca ninguém pagou, da mesma forma que nunca houve fiscalização. Até há cerca de um mês. Polícia Municipal controla, de manhã à noite, o estacionamento aqui da zona, passando dezenas de multas diariamente. Agora, até a PSP vem para aqui, numa caça a que eu, confesso, jamais tinha assistido. Só visto, acreditem!
O problema é que instalaram ainda mais parcómetros, portanto deixou de haver solução. Não há lugares legais não pagos num raio de quilómetros. Não tenho dinheiro, nem tempo, para pagar parcómetros diariamente. Já fui multada por estas bestas num sítio onde não há qualquer sinal de estacionamento proibido. Há dias, dei com um agente da PSP a multar um carro legalmente estacionado. Porque era tão burro que "era a indicação que tinha na esquadra, que nesta rua o estacionamento é pago". Mas tão burro que não verificou a total inexistência de um sinal que dissesse isso mesmo e começou a multar carros BEM estacionados!!! Na semana passada, no único dia em que trouxe o carro, fui multada. Num sítio onde tem dezenas de carros todos os dias e onde nunca vi nenhum ser multado.
Rendi-me, fui renovar o passe. Muito me custa, sobretudo à noite, porque saio daqui tarde e de carro estava em casa em 10, 15 minutos. Basicamente, é tempo a menos para estar com a minha filha. É assim que costumo ver a coisa. O que me irrita é que a realidade mudou, sem apelo nem agravo, de um dia para o outro, e eu estou nesta irritação toda porque quero vir trabalhar! É isso: quero vir trabalhar, mas não me deixam vir de carro!!!
Já sei, já sei. Quem não tem carro, não faz a ponta de um corno e ainda vai ao fim do mês buscar a merda do rendimento mínimo à Segurança Social, não tem estes problemas. Pois é.

4 comments:

Anonymous said...

Para Matosinhos?? Isso era ir de BIKE...

Pontos positivos pela abstinecia de veiculo

- Poucas na gota
- Poucas o ambiente
- Poucas no Stress
- Poucas na carteira (revisoes, penus, multas, acidentes...)

Agora a GALP tem a politica do car share... experimenta.

Paciencia e calma...

Natacha said...

É. No poucar é que está o ganho!!

Mente Despenteada said...

Pá, vou enviar-te a minha já vasta colecção de fotografias de carros das forças de autoridade mal estacionados por agentes que foram multar cidadãos. Pode não te safar da multa, mas ao menos põe esses bardamerdas na linha por uns segundos. Com o perdão da má palavra.

É por isso que detesto polícias!!!

Pedro said...

E se fosses para o trabalho a pé? Poupavas nas multas e ganhavas na transpiração. Se bem que cheirar a quem não toma banho há quinze dias não seja propriamente um bom factor de socialização ou de convivência laboral. Mas pronto, fica o conselho. E a mais não sou obrigado.